Atentos

Vivemos um momento de esgotamento emocional devido às incertezas, medos, confinamentos, a falta diária de contato humano, polarizações políticas, ideológicas e emocionais.

Nossos recursos mais imediatos para sobreviver a esta situação traumática que continua ao longo do tempo (e não sabemos quando vai acabar) são: o recorrer à exaltação das emoções, que nos fazem sentir vivos, no controle, na raiva ou no desespero forte o suficiente para que "alguém" (o vírus, nossas pessoas mais próximas, o governo, Deus ou algo com poderes milagrosos para nos "salvar") nos ouça ou desistir de tudo e nos anestesiarmos o suficiente para não sentir nada, e bancar a bela adormecida que acordará com o beijo do príncipe encantado quando todo o perigo tiver passado.

É mais fácil falar do que fazer, mas o que mais nos ajudará a enfrentar este momento é estarmos atentos às nossas necessidades mais imediatas para acalmar os medos que nos é possível acalmar, pois podemos localizar os perigos e tomar medidas para cuidar deles, e para abraçar-nos e/ou pedir a alguém de confiança que nos abrace face aos medos causados pelos perigos que não podemos controlar, dando-nos o alívio de nos sentirmos amados, acompanhados, compreendidos, neste profundo mal-estar existencial.

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPT