Senso comum

O bom senso parece ter caído em desuso há algum tempo. A quarentena e a pandemia exageraram seu banimento da linguagem cotidiana.

As conversas sobre qualquer assunto, em quase qualquer contexto, vão muito rapidamente para as discussões que são organizadas por alguém que defende: “é assim e tem que fazer isso e aquilo” e alguém que responde: “não é assim, e o que quiser".

Eles parecem discussões que apoiam a verdade (arbitrária) do DEVER e a verdade (arbitrária) de QUERER. Pedidos vs desejos. 

Uma das melhores definições de bom senso é a capacidade de ver as coisas como elas são e fazer as coisas que precisam ser enfrentadas com a realidade como ela é (confirmada por dados confiáveis). Capacidade que é compartilhada pela maioria das pessoas que usam a habilidade de observar, de perceber a realidade através dos sentidos sem passar o que é observado pelo vidro de ideologias, opiniões, preconceitos, desejos ou aversões pessoal, gosto ou não gosto. personales, me gusta o no me gusta.

O bom senso, a equanimidade compartilhada, é uma das atividades humanas mais necessárias nesta época de rachaduras e polarizações que apenas nos mergulham ainda mais nos buracos negros da incerteza.

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPT