Amnésia do passado

Ana fica pensando ...

Sinto amnésia do passado. Me acalme saber que é uma condição básica de adaptação. Se tem uma coisa que tenho tido sucesso é a adaptação, com mudanças, recriei-me imediatamente, sem dar muita importância ao que deixei para trás, com tristeza, mas sem saudade. Ser capaz de me adaptar a mudanças envolvia esquecer, deixar ir quem eu era antes de me tornar outra pessoa. Achei divertido trocar de lugar, de pessoas e o desafio de me reajustar me deu a adrenalina e o orgulho de que precisava para poder fazer isso.

Sinto que estou começando uma investigação sobre mim mesma que gostaria de ter começado há muito tempo. Fico com raiva de pensar que minha mãe não me ajudou com essas perguntas, o que te deixa feliz? No que você é bom? O que você quer ser?

Agora tenho que me fazer essas perguntas, não só por mim, mas por minha filha, a quem quero descobrir e ajudá-la a descobrir quais são suas paixões.

A resposta está dentro de mim; eu simplesmente tenho que descobrir isso durante minha busca interior. Minha falta de análise, minha confiança em minha intuição e minha necessidade de ação me levaram a tomar decisões precipitadas.

Fico apavorada com a pergunta casual que as pessoas fazem: o que é você? A definição de uma mãe de três filhos, uma boa amiga, uma boa esposa, uma boa filha não é suficiente para mim. E quem sou eu, afinal? Sempre admirei pessoas "especiais", aquelas que tiveram um grande projeto que as definiu. Sempre me considerei uma pessoa cheia de paixão e energia... mas agora me pergunto se estou jogando tudo fora... ou melhor ainda, se não estou aproveitando ao máximo.

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
pt_BRPT