Uma criança do meu bairro.

Faltava um ano para que o mundo sofresse uma transformação. Aquele 1967 marcou o prelúdio do novo e, desde os 17 anos, senti, à minha maneira, essa mudança na minha pessoa e no meu ambiente. Acho que nesse contexto me apaixonei por um homem 15 anos mais velho que eu, meu mentor, alguém que admirava porque me ensinou a olhar o mundo de diferentes perspectivas; uma forma de pensar diferente, à partir da psicanálise e da política, temas que até então me haviam sido totalmente indiferentes, assim como temas que surgiram nesse período e que foram um marco para mim. Aquele “semi-Deus” porém, pouco tempo depois, de forma muito elegante e prática, me deixou, recorrendo ao argumento de que, embora gostasse muito de mim, eu tinha que procurar “um garoto do meu bairro”.

Passei muitos anos sem saber quem era a pessoa que deveria encontrar, não entendia o básico: qual era o bairro que realmente determinava minha identidade. Meu pai era judeu-francês nascido no Paraguai, mas educado na Suíça com pensamento ecumênico. Minha avó paterna não era judia, mas católica, uma catalã com um irmão sacerdote; minha mãe era uma luterana sueca. Quando jovem, fui considerada atraente, por isso tive uma carreira de sucesso como modelo. Posteriormente, fiz carreira na sociologia, pois naquela época o intelecto era mais importante do que o físico, embora essas duas atividades fossem tão diferentes, e eu fosse dotada de ambas, o que aumentou ainda mais a confusão na minha busca pela minha identidade. Fui considerada estúpida por minha aparência física por alguns e uma "nerd" por outros. Isso foi um problema, pois ao invés de me fortalecer, baixou minha autoestima em ambas as identidades, pois eu não sabia a que lugar pertencia ou quem realmente era. Eu tinha um parceiro que se tornaria o pai dos meus 2 filhos. Apesar de ser um intelectual, ele não conseguia entender como eu havia escolhido ser professora em vez de modelo, o que acrescentou outra preocupação às minhas dúvidas. O fato de os judeus não me aceitarem como um deles e rirem do meu pseudo judaísmo por minha mãe ser católica e por eu não conhecer suas tradições, nem mesmo os nomes mais simples de suas comidas tradicionais, me levantou ainda mais dúvidas. Os cristãos só viam meu sobrenome inegavelmente judeu, então me trataram como uma convertida, por causa de meus batismos cristãos (sim, tenho 2), que me envergonharam.

O primeiro "bairro" que encontrei foi através do meu relacionamento com meus filhos, um relacionamento íntimo. Lhes ofereci todos os mundos nos quais me movia e me senti abraçada e compreendida por eles em todas as minhas identidades.

Posteriormente, consegui encontrar meu “bairro” profissional mais legitimado pelos meus alunos do que pelos meus colegas.

Por volta dos 50 anos, consegui criar minha rede social de amigos, mas não um grupo. Era uma rede de indivíduos com interesses comuns e formas semelhantes de ver a vida, uma "vizinhança" social de semelhanças.

Embora meu contato com as pessoas não tenha sido difícil porque sou cordial por natureza, não é fácil para mim me encaixar. Não sou fácil de me encaixar. Com o tempo, comecei a descobrir que essa dificuldade poderia ser vista como uma vantagem, pois minhas diferenças e contradições me deram informações adicionais e comecei a caminhar com conforto por diferentes “bairros”, sem sentir que realmente pertencia a algum. Demorei a perceber que a “diferença”, o “não cabendo” podia transformar-se numa vantagem que me permitia caminhar em mundos irregulares e em alguns casos completamente opostos.

O que mais me custou foi encontrar um homem da minha “vizinhança”. Isso aconteceu, após muito esforço, mal-entendidos, ilusões e decepções e quando decidi parar de procurar, eu estava prestes a fazer 60 anos e, conheci o homem que me aceita em todas as minhas circunstâncias.

Depois de muitos anos de sofrimento por não me enquadrar em nenhuma das definições de identidade facilmente reconhecíveis, percebo que não tive que buscar incansavelmente o "bairro" onde o "semideus" da minha adolescência queria me aprisionar, porque não importava qual o "Bairro" encontrado, sempre seria estranho para mim. E eu sempre seria um estranho para ele.

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email
pt_BRPT